Fortaleza -

Palavra Pastoral

O Cristão e Sua Cruz

Estamos vivendo numa época nunca vista na história. Afirmo isto em relação ao tipo de evangelho que está sendo pregado atualmente, o que chamamos de pregações triunfalistas.

Observo os crentes atuais e os vejo na sua maioria como se fossem super-heróis, chegam até na maior parte das vezes não se parecerem com humanos comuns. Parecem não serem pessoas de carne e osso, com intelecto, sentimentos, emoções, etc.

Os vejo dizendo: É só vitória! É só bênção! Só milagre! Só poder! Muito poder! Até os hinos atuais estão continuamente relevando esse tema e tais motivações. É óbvio, todavia, que não estou tentando fazer de forma alguma uma apologia as derrotas e fracassos na vida do cristão, e nem muito menos que o cristão deve viver uma vida de contínuo sofrimento como se Deus fosse masoquista. Porém, estou muito preocupado com esse “evangelho” sem cruz, sem ser, sem vida e sem os pés no chão da realidade.

Ora, quando observo o que contido está no evangelho segundo escreveu Marcos, capítulo 9 e verso 34, compreendo uma realidade bem diferente do que a inconcebível ainda por alguns, aqueles que vivem nas filas de campanhas em busca da prosperidade.

Jesus disse assim: “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me”.

Pergunto: O que seria levar a cruz?

Para mim, isto significa:

1º. Levar-nos a nós mesmos. Ou seja, embora eu esteja com Cristo, eu continuo sendo gente. Gente que senti, gente que sofre, que tem anseios, necessidades, que se decepciona etc.;

Gente que apesar de crente, mas que ainda continua pisando nessa terra como um simples mortal. Portanto, para onde vou me carrego, carrego comigo um corpo caído e susceptível ao fracasso, todavia, como agora vivo por fé, crucifico minha carne para que o morrer diário em Cristo me dê forças para carregar minha própria cruz – Eu;

. Levar a cruz é saber que diariamente estou indo em direção ao calvário. Passo a passo. Passos cansados, porém confiantes; passos temerosos, porém cheios de fé e que me fazem prosseguir a cada momento da caminhada confiante do triunfo final;

3º. Levar a cruz é saber que como gente, vou caminhando a cada dia levando minha própria cruz, contemplando aplausos e criticas; honras e calunias, lagrimas e sorrisos, beijos, abraços, sinceros e in-sinceros;

. Levar a cruz é saber que mesmo na hora da agonia e do silêncio de Deus, Ele estará do meu lado dizendo: “Filho, vá mais um pouco, até o calvário! É lá onde o véu “será” rasgado; é lá onde terás o passaporte para as mansões celestiais, onde me verás face-a-face; vá mais um pouco, pois os céus te aguardam e a coroa da vida te espera”;

5º. Enfim, levar a cruz é saber que estarei priorizando o evangelho de Cristo em minha vida. Pisando no chão das incertezas humanas, contudo, confiando pela fé que o Filho do Homem, não se envergonhará de mim quando o toque da ultima trombeta soar, e que o meu nome estará confirmado no livro da vida do cordeiro de Deus.

Portanto, concluindo com um simples resumo, apenas afirmo que ser cristão autêntico é está convicto de que a cada dia para nós o levar a cruz é ter o viver em Cristo e saber que a cada dia o morrer é lucro pela causa do evangelho de Jesus.

Fortaleza, 28 de junho de 2007

Pb. Mário Eugênio

Print Friendly
Compartilhe com seus amigos!

Comentários Encerrados.

Busca na Bíblia
Patrocinadores

Voltar ao Topo